Pular para o conteúdo principal

A MULHER VESPA (The Wasp Woman, 1959), de Roger Corman

Não sabia da existência desses três DVDs lançados aqui no Brasil pela distribuidora Fantasy Music contendo vários clássicos do terror e sci-fi dos anos 50 e 60, até ler o livro O Cemitério Perdido dos Filmes B, do Cesar Almeida. Em cada DVD, dois filmes obrigatórios: A MULHER VESPA, do Roger Corman; O ATAQUE DOS SANGUESSUGAS GIGANTES, de Bernard Kowalski; A BESTA DA CAVERNA ASSOMBRADA, de Monte Hellman; O CÉREBRO QUE NÃO QUERIA MORRER, de Joseph Green; CRIATURA SANGRENTA, de Gerry de Leon e O LOBISOMEM NO QUARTO DAS GAROTAS, de Richard Benson. Claro que eu comprei os três na mesma hora!

Antes de entrar no filme, não posso deixar passar que o livro do nosso amigo, citado ali em cima, é excelente! De linguagem clara e sem frescuras, o Cesar faz uma verdadeira odisséia ao cinema de baixo orçamento com uma seleção de filmes primorosa. Essencial para qualquer fã de filme B que se preze. Aliás, depois que eu acabei de ler, o livro ficou posicionado num lugar estratégico por aqui. Sempre que meu velho vai “amarrar um gato” ele gosta de ler alguma coisa (mas quem não gosta?). Com o Cemitério Perdido em mãos, ele sempre chega prá me pedir algum filme do livro para assistir.


A MULHER VESPA, dirigido pelo maior gênio dos filmes B americanos, é claramente uma tentativa de aproveitar o sucesso do clássico A MOSCA DA CABEÇA BRANCA (1958), de Kurt Neumann, com o grande Vincent Price no elenco. Mas aqui é Susan Cabot quem assume a posição de protagonista, dando vida a uma quarentona, dona de uma empresa de cosméticos. Além de proprietária, ela era o rosto bonito que enfeitava os anúncios publicitários da empresa. Com o passar do tempo, a idade chega e ela resolve colocar uma pessoa mais jovem e menos enrugada para continuar a divulgação de seus negócios, acarretando uma inesperada diminuição retumbante de vendas.

Em suma, ela acaba conhecendo um cientista maluco, o qual desenvolveu um novo cosmético a partir das enzimas das vespas, transformando o envelhecimento da pele na beleza da juventude. Cabot começa a usar em si mesma o produto e em pouco tempo, está com rostinho de 20 anos novamente. É lógico que em algum momento algo daria errado, caso contrário, não teríamos um sci-fi de terror, e sim mais um drama sobre uma mulher em conflitos existenciais partindo numa jornada sem mapa para o interior dos imperativos selvagens de si própria... ou algo assim.

De maneira gradativa, a natureza lasciva da vespa rainha inicia um processo de mutação física e de personalidade na protagonista. À noite, ela se transforma numa espécie de híbrido metade mulher, metade vespa (mas nem chega perto do desenho do cartaz do filme, que é genial, diga-se de passagem), bem ao estilo Corman, com uma máscara mal feita cujo pescoço da atriz fica à mostra e umas luvas de forno trabalhada para dar a impressão de... mãos de vespa? Enfim, o resultado é um charme, prezando mais pela idéia e criatividade do que pelas limitações orçamentárias. E isso vale para o filme inteiro.

Algumas curiosidades, A MULHER VESPA foi originalmente lançado pela famigerada AIP, em sessão dupla com A BESTA DA CAVERNA ASSOMBRADA, mas foi o primeiro filme produzido pela Corman Filmgroup, do próprio diretor, apresentando vários de seus colaboradores habituais. A duração era tão curta que ficava impossibilitado de passar na TV. Então Corman precisou chamar Jack Hill, um dos seus pupilos daquele período, para escrever e dirigir algumas cenas adicionais, como por exemplo, todo o início do filme que se passa na fazenda produtora de mel. Em 1995, Corman produziu uma versão mais atual dirigida pelo Jim Wynorski, mas essa eu ainda não vi...

Comentários

  1. Parece bacana!
    Ando extramente sem vontade de assistir filmes de horror, mas acho que conseguiria encontrar horas de prazer assistindo a um filme como esse. O que me recomendarias, caro amigo?

    ResponderExcluir
  2. Das antigas, você pode pegar os filmes do Roger Corman, que é tiro e queda! Do que vi recentemente, o Monstro do Ártico, The Black Scorpion, mas é difícil indicar filmes de terror assim do nada... se for no estilo de Wasp Woman, vá atrás dos filmes do Corman mesmo, Vincent Price, os da Hammer também são bacanas.

    Mais recente, os filmes B de terror dirigido pelo Jim Wynorski são boas pedidas.

    ResponderExcluir
  3. Bah, não sabia desses DVDs, e não comecei a ler o livro do César (pretendo fazer em abril a leitura). Onde conseguiste os DVDs?

    ResponderExcluir
  4. Vários filmes do estilo também estão disponíveis pra download legal (já que são de domínio público) Tem muita coisa boa no archive.org e publicdomaintorrents.com

    ResponderExcluir
  5. Ronald, obrigado pelo comentário ao meu livro! Abração!

    ResponderExcluir
  6. Eu comprei o DVD de "A Mulher Vespa" numa banca de revistas. Se não me engano, nessa versão com dois filmes. A cópia era péssima, mas o filme, apesar de curioso, não fica atrás.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …