Pular para o conteúdo principal

A SERBIAN FILM (2010)


aka TERROR SEM LIMITES
direção: Srdjan Spasojevic
roteiro: Aleksandar Radivojevic, Srdjan Spasojevic

Não me lembro de ter visto outro este ano, mas acho que o “filme-choque” de 2010 é A SERBIAN FILM (Srpski film, 2010). Aliás, se existia algum outro que pensava em se candidatar para o cargo, provavelmente vai passar vergonha diante deste provocativo monumento de subversão marcado por uma história brutal não recomendado pra qualquer estômago.

Mas o que poderia tornar um filme dessa estirpe uma das grandes experiências cinematográficas deste ano? Além das próprias sequências ignóbeis, as quais excedem os limites do bom gosto, da ética, chocando, incomodando, mexendo com os sentidos do espectador, temos uma direção excelente e precisa ao trabalhar com esse tipo de imagem, não apenas jogando na tela para impressionar o espectador, mas combinadas à um boa trama e num contexto que justifique toda essa sandice. É bem provável que nem todos consigam embarcar no clima pesado da narrativa, não comprem a idéia central e questionem o poder descomunal de A SERBIAN FILM , taxando-o de “sem conteúdo” e apelativo.

Felizmente, não tive esse problema. Já sabia de antemão que não era um filme recomendado para toda a família, mas resolvi encarar pra ver até onde o estreante diretor sérvio Srdjan Spasojevic iria chegar. Quando a gente acha que já viu de tudo nessas garimpadas pelas obscuridades do cinema, o sujeito consegue destruir toda a nossa segurança de “espectador treinado” com algumas imagens e idéias extremamente pertubadoras!


O espectador é submetido a um estado de tensão até nos mais triviais momentos de A SERBIAN FILM, com uma fotografia sufocante e a trilha de batidas fortes muito bem integrada ao andamento da coisa. Quanto menos você souber da trama, melhor, mas dá pra adiantar que o enredo gira em torno de Milos, um ex-astro da indústria pornográfica que vive agora tranquilo com sua esposa e filho. Com a crise assolando o país, Milos recebe a proposta para retornar à atividade por um cachê milionário e estrelar o filme obscuro de um diretor com… digamos, um alto nível de pretensão artística, sob a condição de não saber absolutamente nada a respeito do que será o tal filme… Bom, o que acontece a partir daí, você vai ter que descobrir sozinho por sua conta e risco, se tiver estômago.

Garanto apenas que não será uma experiência agradável…

Segundo os realizadores, fãs confessos do cinema exploitation americano dos anos 70, toda essa agressão visual de A SERBIAN FILM seria uma espécie de metáfora do estado de espírito de um indivíduo após viver na Sérvia por mais de vinte anos, com todos os prolemas políticos e territoriais que até hoje assola a população. É uma boa desculpa filosófica para mostrar um cara enfiando o próprio falo (vulgo caralho) no olho de outro sujeito...

Caso queiram mais informações sobre o filme, vai um texto mais detalhado que o meu aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …