Pular para o conteúdo principal

AMOR À QUEIMA ROUPA (True Romance, 1993), de Tony Scott

Já estava na hora de rever AMOR À QUEIMA ROUPA, então foi o que fiz no último fim de semana. Primeiramente, preciso dizer que gostei muito, até porque foi como assisti-lo pela primeira vez... realmente não me recordava de muita coisa. Depois, me peguei pensando sobre o diretor do filme e, curiosamente, descobri que o Bruno Andrade postou em seu blog, O Signo do Dragão, num daqueles seus posts de uma linha, a seguinte frase: “Só débeis mentais defendem Tony Scott”.Hahahahaha! 
Bom, estava prestes a escrever sobre o Toninho quando li a frase e achei muito boa, mas como eu sei que sou meio débil mental em relação ao meu gosto cinematográfico, ia dizer que gosto de algumas coisas que o sujeito fez. Só acho que o Toninho tem uma carreira meio estranha... quando era um simples artesão, fez uns thrillers e dramas policiais e de ação sólidos como O ÚLTIMO BOY SCOUT e este aqui, os quais eu aprecio muito. E quando finalmente resolveu imprimir um estilo visual próprio, como em CHAMAS DA VINGANÇA, por exemplo, acabou fazendo merda... Ainda assim, nem tudo está perdido! Não vi ainda seus dois últimos filmes, mas DÉJÀ VU é bem legal!
Mas voltando ao AMOR À QUEIMA ROUPA, e já tirando o Toninho da conversa, a força do filme reside em dois elementos. Um deles é, sem dúvida, o roteiro do Tarantino, cheio de diálogos marcantes, citações e referências que me faziam por em prática a cinefilia, além de situações tensas, engraçadas, emocionantes de um universo único que só poderia ter saído da mesma cabeça que nos deu JACKIE BROWN.
A trama é sobre um sujeito que se apaixona por uma “acompanhante” muito louca e resolve acertar as contas com seu cafetão para tê-la livre só pra ele. Depois de muita confusão, pancadaria, tiroteio e morte, sobra em suas mãos uma maleta cheia de um pó branco que eu não preciso nem dizer o que é. A trama se desenrola com esse casal apaixonado e surtado tentando vender a droga enquanto um bando de gente entra em seus caminhos.

E aí vem o outro elemento que possui grande força: o elenco é um dos mais sensacionais dos anos 90! A começar pelos pombinhos, Christian Slater e Patricia Arquette, e daí prossegue com Dennis Hopper, Gary Oldman, Christopher Walken, Brad Pitt, Samuel L. Jackson, Saul Rubinek, James Gandolfini, Chris Penn, Tom Sizemore, Ed Lauter... enfim, só gente fina! E a grande maioria em participações minúsculas, mas todas com um aproveitamento excelente. 

Juntando então o roteiro do tarantino com esses caras, só poderia sair sequências como o quebra pau no quarto do hotel entre Gandolfini e Arquette, a cena do carro onde o pó voa na cara do sujeito, ou então o diálogo genial de Christopher Walken e Dennis Hopper, uma das coisas mais brilhantes que o Tarantino já escreveu.
 
Voltando ao Toninho, pra finalizar, seu trabalho é competente, sem nada de errado. Mas acaba sendo um de seus melhores filmes mais pelo material e elenco que tinha em mãos do que por méritos próprios. Talvez seu único mérito seja o de não ter estragado o filme como quase fez Oliver Stone em ASSASSINOS POR NATUREZA, com uma história que o Tarantino escreveu tendo como base as idéias cortadas do roteiro de AMOR À QUEIMA ROUPA. Não acho ASSASSINOS ruim, mas se Stone tivesse feito apenas o feijão com arroz, teria sido algo do nível desse aqui... eu acho.

Comentários

  1. Dois pontos excelentes deste filme são:

    1) O diálogo Dennis Hooper x Cristopher Walken.

    2) As primeiras cenas com o cara levando a loira para assistir filmes de luta no cinema.

    ResponderExcluir
  2. Ronald você tem ou sabe onde conseguir a legenda do The Butcher com o Eric Roberts? Fazem umas duas horas que estou procurando e até agora nada, só encontrei em islâmico (!!!)

    ResponderExcluir
  3. O mundo precisa saber que Fome de Viver e Domino são S2.

    ResponderExcluir
  4. JOÃO, acho que não tem ainda... quando vi era sem legenda mesmo.

    KEVIN, ainda não vi Fome de Viver, mas preciso dar outra chance ao Domino... não vi num bom dia quando assisti. Mas não tenho boas recordações...

    ResponderExcluir
  5. Corre pra ver fome de viver!

    susan sarandon e deneuve se pegando.

    ResponderExcluir
  6. http://www.opensubtitles.org/pt/subtitles/3662611/the-butcher-en

    Inglês

    ResponderExcluir
  7. Eu gostaria de por as mãos no roteiro original do Tarantino. Dizem que ele é bem mais no estilo dele, com narrativa fora de ordem cronológica e no final... bem, digamos que aquele tiro pegou um pouco mais à esquerda.

    ResponderExcluir
  8. Num gosto desse não.É muito "quero ser cool" demais.
    Deja vu é que é O filme do Scott.

    ResponderExcluir
  9. Pra mim, O filme do Scott é O Último Boy Scout.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado Osvaldo, em inglês já tá bom pra mim.

    ResponderExcluir
  11. Por nada, João!

    Gosto muito de O ÚLTIMO BOY SCOUT também, mas TRUE ROMANCE continua sendo o melhor do Tony Scott para mim, justamente porque prefiro quando diretores se voltam mais ao roteiro e atuações ao invés de se 'inserirem' quase o tempo inteiro em seus filmes...

    ResponderExcluir
  12. Também acho o último boy scout o melhor filme de Scott. Mas eu adoro Jogos de Espioes, Deja Vu e Maré Vermelha; o povo não gosta destes filmes ou foram esquecidas mesmo?

    ResponderExcluir
  13. FOME DE VIVER - BOM
    TOP GUN - MERDA
    UM TIRA DA PESADA II - MUITO BOM
    VINGANÇA - BOM
    DIAS DE TROVÃO - AS CORRIDAS SÃO MUITO BOAS, O RESTO É UMA MERDA
    O ÚLTIMO BOY SCOUT - MUITO BOM
    MARÉ VERMELHA - UM SACO
    AMOR À QUEIMA-ROUPA - MUITO BOM
    ESTRANHA OBSESSÃO - UM SACO
    INIMIGO DO ESTADO - UM SACO
    JOGO DE ESPIÕES - MUITO BOM
    CHAMAS DA VINGANÇA - SACO DE MERDA
    DOMINO - SACO DE MERDA
    DEJA VU - BOM
    O SEQUESTRO DO METRÔ - UM SACO
    INCONTROLÁVEL - BOM

    ResponderExcluir
  14. Particularidades da vida. Pra mim só débil mental para não perceber as óbvias qualidades que o Tony Scott tem. Vingança, Maré Vermelha, True Romance e Deja Vu são filmaços simplesmente perfeitos. Estranha Obsessão um dos melhores e mais subestimados thrillers dos anos 90. Domino e Chamas da Vingança dois ótimos thrillers igualmente subestimados. Dias de Trovão, Top Gun e Tira da Pesada 2 divertidíssimos. Não sei como alguém pode falar mal.

    Tb não consigo entender esses babacas que abrem a boca pra dizer que "Fome de Viver", o filme mais besta, mais pretensioso, mas mal estruturado de toda a carreira do Scott, é seu "melhor filme". É o tipo de coisa que cinéfilo de 12 diz pra confirmar pra sí mesmo que "já entende o que significa um filme de arte". A única coisa q s salva é a atuação surpreendente do David Bowie. Jogo de Espiões tb é um dos poucos Scott que podem falar mal. Não vi Boy Scout e nem Inimigo do Estado.

    Ah, tb achei Sequestro do Metrô chato, mas não horrível.

    ResponderExcluir
  15. E eu adoro a direção do Tony em TR. Adoro o uso de cores, a forma como ele usa sombras, escuridão (Igualzinho ao irmão, q adora cenas com cortinas semi-abertas, etc). Pra mim muito da grandeza de TR é o Tony o responsável sim.

    Tb gosto da direção do Stone em APN. Acho o interessante desses filmes é justamente o uso da linguagem Tarantinesca em filmes com estrutruas completamente diferentes do queijada. Drink No Inferno, nesse sentido, é o filme mais parecido com uma direção tarantinesca com um diretor q não é o próprio.

    ResponderExcluir
  16. " o elenco é um dos mais sensacionais dos anos 90! A começar pelos pombinhos, Christian Slater e Patricia Arquette, e daí prossegue com Dennis Hopper, Gary Oldman, Christopher Walken, Brad Pitt, Samuel L. Jackson, Saul Rubinek, James Gandolfini, Chris Penn, Tom Sizemore, Ed Lauter... enfim, só gente fina! E a grande maioria em participações minúsculas, mas todas com um aproveitamento excelente. "

    Exato. Inclusive CADA aparição de cada um desses atores é material para Oscar. Todo ator que aparece, toma a cena com o diálogo fantástico do Tarantino. Todo mundo já tá cansado de falar do confronto psicológico soberbo entre Walken e Hopper, por isso vou apontar QUALQUER cena que Gary Oldman, James Gandolfini, Saul Rubinek e Brad Pitt aparecem. Saul impagável como o produtor de cinema cheirador (Bronson tb ajuda muito nas cenas mais engraçadas), o Gandolfini em uma cena shakesperiana com a Arquette. Todo aquele diálogo sobre a primeira vez em matar uma pessoa é fantástica. O Tarantino é viciado em serial killers, como tb mostra Assassinos Por Natureza. E o Pitt, que na opinião do próprio Tarantino, rouba o filme de todo mundo toda vez q aparece. Talvez por isso que ele tenha ganho o papel em Inglorious Basterds.

    Mas pra mim o melhor do filme é o Oldman, como o cafetão black-wannabe. Um dos personagens mais sinistros que o Tarantino já inventou. Mais até que o Walken. E porra, o Oldman é o Olivier-Guinnes da sua época. Faz qualquer papel, qualquer raça, com qualquer sotaque, em qualquer idade.

    ResponderExcluir
  17. Sempre quis ver esse, muito por causa do roteiro do Tarantininho, e pelo fato que dizem que o diálogo Hopper e Walken só consegue ser igualado em Bastardos, na sequência inicial...

    ResponderExcluir
  18. Sobre as questões de gosto pessoal e particularidades da vida, eu discuto, mas de forma civilizada. :D hehehe
    Detesto mesmo Chamas da Vingança e nunca vi Fome de Viver... :(

    Agora, DANIEL, não precisava ter chamado alguém de babaca só porque gosta de tal filme, por mais que você não goste. Assim como eu acho que não precisava o Bruno Andrade chamar alguém de débil mental por defender o Tony Scott. E eu só disse que achei engraçado porque era justamente o que ia fazer, enfim...

    Sobre a direção, realmente não vejo muita coisa da mão do Scott que engrandeça o filme... o visual, as cores e fotografia são realmente belíssimos e claro que isso tem a ver com o Scott, mas não é exatamente o que faz o filme ser o que é, na minha opinião. Como disse no texto, o roteiro e elenco é que me chamaram mais a atenção.

    Mas não acho a direção ruim, pelo contrário, é esse "fazer o básico" nos enquadramentos, movimentos, tudo sem frescura ou invenção de moda é que dão ao filme esse aspecto sólido e seguro.

    Sobre Assassinos por Natureza, gosto do filme, como disse também o Stone "quase" estragou o roteiro, já que o filme é bom. Só não sou muito chegado nessa fase experimental do Stone.

    ResponderExcluir
  19. Dos que o Tarantino escreveu, esse eu gostaria de tê-lo visto dirigir. É um bom filme, mas acredito que nas mãos dele tivesse rendido mais!

    Cultura na web:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Sou grande fã de "Assassinos por Natureza" (primeiro filme 18 anos que vi no cinema), e mil vezes o stone chapado do que esse aí que anda fazendo "As Torres Gêmeas" e "Wall Street 2".

    ResponderExcluir
  21. Sou mais a primeira fase... "Salvador" é o meu Stone favorito.

    Da fase experimental chapado, gosto do "Reviravolta". "Assassinos" e "The Doors" acho apenas bons...

    ResponderExcluir
  22. Já eu não consigo imaginar esse filme diferente... não consigo imaginar suas cenas, seus atores, suas falas dirigidas de uma outra maneira. É puro ouro.

    ResponderExcluir
  23. Eu gosto do Stone ontém e hoje. Inclusive acho Duas Torres um dos melhores filmes catástrofes de todos os tempos. Gostei muito de WS2 tb.

    ResponderExcluir
  24. Perdão, Ronald. Troca aí então "babaca" por "mentalmente confuso". :)

    ResponderExcluir
  25. Concordo com você cara,o Scott tem um carreira muito irregular mas é inegável que o cara é um grande diretor,eu acrescentaria a sua lista de bons filmes, "Fome de Viver" muito bacana também!!

    ResponderExcluir
  26. A propósito,gostei muito de Chamas da Vingança(mas não chega nem perto de Amor a Queima Roupa)!!!

    E Fome de Viver é muito foda!!

    ResponderExcluir
  27. Melhor roteiro do Tarantino e melhores dialogos e com certeza Amor a queima-roupa. O dialogo do Slater e do Gary e sensacional. Talvez o unico furo seja o personagem do Christopher Walken que some do nada. E a trilha sonora tambem e excelente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …