Pular para o conteúdo principal

COMANDO PARA MATAR (1985)

aka COMMANDO
diretor: Mark L. Lester
roteiro: Steven E. de Souza

Detesto escrever sobre meus filmes favoritos, porque sempre acho que não vou conseguir encontrar palavras que estejam à altura da obra. Mas hoje eu revi COMANDO PARA MATAR, um dos filmes mais essenciais do cinema de ação classudo oitentista e um dos meus prediletos do gênero, tenho certeza que palavras vão me faltar para elogiar este colosso cinematográfico, mas resolvi arriscar, até porque depois de tantos anos, continua sendo refêrencia quando se trata de cinema de ação truculento, além de ser um dos trabalhos mais sólidos e divertidos do Arnold Schwarzenegger.

Obviamente todo mundo conhece a trama, a história do coronel John Matrix (Arnoldão) e sua violenta jornada para resgatar sua filha das mãos de mercenário que querem chantageá-lo e etc… É tudo bem simples, na verdade. O filme utiliza o carisma de Schwarzenegger de maneira eficiente e não faz muitos rodeios para mostrar ao público do que o sujeito é capaz em várias cenas de ação, pancadarias, perseguições de carro, fugas espetaculares, ingredientes necessários para dar um espetáculo e resgatar a filha!

A expressão “exército de um homem só” nunca se encaixou tão bem num personagem como em John Matrix. O sujeito simplesmente derruba, sozinho, um possível ditador e seu exército inteiro, utilizando somente suas habilidades, um arsenal colado no corpo e muito sangue frio pra matar sem o mínimo remorso, diferente dos “heróis” comportados e politicamente corretos desta geração, os quais John Matrix comeria no café da manhã. Também conta muito com a sorte, já que não é todo mundo que passa correndo em frente de centenas de metralhadoras sem levar um tiro sequer ou levar em consideração que atacar o covil do inimigo explodindo e metralhando tudo não faria os bandidos matarem sua filha… Mas tudo faz parte do charme...

A direção é de Mark L. Lester, substituindo John McTiernan, que rejeitou o projeto, mas acabou dirigindo o Arnoldão em PREDADOR e O ÚLTIMO GRANDE HERÓI. E temos uma história curiosa aqui. O roteirista Steven E. de Souza escreveu uma continuação de COMMANDO PARA MATAR, revisado pelo Frank Darabont, e com o McTiernan já acertado para dirigir. O Schwarzenegger é que rejeitou o projeto desta vez. O roteiro é baseado num livro de Roderick Thorp sobre um prédio tomado por terroristas... bom, então não vamos reclamar que John Matrix não tenha retornado, celebremos a criação de John McClaine em DURO DE MATAR, pois foi o que o roteiro desta continuação acabou se transformando! Já o Lester teve uma fase extremamente talentosa em determinado período no cinema de ação, mas nunca teve reconhecimento por isso. E nem vai ter. COMANDO PARA MATAR possui um trabalho de direção seguro e cenas de ação belissimamente bem orquestradas à moda antiga, sem qualquer firula e cacoetes do cinema atual. E não poupa o espectador de violência e muito sangue on-screen, como toda a sequência final, com Arnoldão enfrentando o exército sozinho numa batalha de proporções épicas!

E o que é a atuação do Schwarzenegger?! Já ouvi muita reclamação de pessoas dizendo que é um sujeito sem talento e canastrão. Concordo em partes, mas o que não falta a ele é inteligência e carisma! Tendo protagonizado CONAN e O EXTERMINADOR DO FUTURO, é com COMANDO PARA MATAR que Arnoldão afirma seu lugar entre os grandes do cinema de ação! Os seus diálogos são resumidos ao essencial, soltando apenas o necessário e algumas tiradas de efeitos geniais que complementam ainda mais o grau de insanidade que temos aqui! E claro, o que acaba importando mesmo, no fim das contas, é a sua capacidade física e o desempenho nas cenas de ação, como um tanque de guerra imparável, realmente de encher os olhos dos aficcionados pelo gênero.

O filme possui também um elenco memorável. Rae Dawn Chong é a aeromoça que acaba se enroscando na situação de Matrix e serve um pouco de alívio cômico; Alyssa Milano, ainda bem novinha, fazendo a filha raptada; o ótimo Bill Duke, Dan Hedaya e David Patrick Kelly como vilões (este último com uma das mortes mais legais do filme), assim como Vernon Wells, que é uma espécie de "chefão final" e que Matrix deve enfrentar no mano a mano. Mas uma das coisas mais geniais do filme é que Wells também possui um sentimento estranho por Matrix, algo que não se percebe quando você tem 7 anos de idade. O cara é afetadíssimo e não tenho a menor dúvida de que seja homossexual. Nada contra, quero deixar bem claro, até acho que enriquece ainda mais a obra, mas tenho a absoluta certeza de que o sonho dele era, na verdade, “lutar” pelado com o protagonista… e o mais interessante é que Matrix sabe disso! “Você gostaria de enfiar essa faca em mim!”, diz o herói para convencer o seu oponente a baixar a arma. E funciona! E reparem as expressões de prazer e desejo sexual que o Wells faz nesta cena. Sei muito bem que “faca” ele estava pensando em enfiar no Schwarza. Engraçado que outro filme do mesmo Mark L. Lester possui a mesma conotação gay. E é outro belo exemplar de ação casca grossa! Estou falando de MASSACRE NO BAIRRO JAPONÊS. É preciso ser um tanto ingênuo pra não perceber que o personagem do Brandon Lee é apaixonado pelo Dolph Lundgren… Genial!

Foi muito bom rever esta obra prima depois de tanto tempo. Mas ao final, dá uma sensação um pouco melancólica… COMANDO PARA MATAR é uma espécie cinematográfica que já se encontra extinta. Simplesmente não se faz mais filmes desta forma nos nossos dias, é fato. Exemplares assim existiam aos montes na era dourada do gênero nos anos 70, 80 e um pouco dos 90. Para sentir esse cinema, hoje, é preciso retornar aos filmes de outras épocas, mas tudo bem! O mais bacana disso tudo é que realmente não faltam motivos para ver e rever este e outros clássicos do cinema de ação.

Comentários

  1. Não me canso de rever, é um festival de truculência. E sim, se o Bennett não joga no outro time, ele tem todas as ferramentas. :)

    ResponderExcluir
  2. Filmaço, um clássico da minha infância e concordo com você, apesar de hoje ainda haver alguns bons filmes de ação, falta o "tempero" dos anoa 80. Outro do Schwarza que vale um post é o Jogo Bruto, até porque é uma produção meio esquecida e pouca comentada,eu mesmo assisti há muito tempo atrás no SBT e lembro de pouca coisa.

    ResponderExcluir
  3. Com certeza não faltam bons filmes hoje, mas não chegam aos pés dos filmes daquela época. E Jogo Bruto tem um post aqui: http://demmentia13.blogspot.com/2009/11/jogo-bruto-raw-deal-1986-de-john-irvin.html

    ResponderExcluir
  4. concordo com você , um dos grandes clássicos dos anos 80 e um dos melhores filmes do fortão.

    ResponderExcluir
  5. Texto bacana, nunca havia me tocado nessas insinuações gays desse e do massacre no bairro japonês. Acho que ainda sou um tanto quanto ingênuo ou fico embascado com as sequencias de ação de ambos os filmes que acabo nem percebendo isso.

    ResponderExcluir
  6. Não se fazem mais filmes, nem posters e nem slogans como esse: Em algum lugar, de alguma forma, alguém vai pagar. CRÁSSICO, com R!

    ResponderExcluir
  7. Lázaro Cassar17/07/2011 00:47

    Pra mim, junto com "Rambo II", é o filme que resume o cinema de ação 80's. Vi esse filme quando passou pela primeira vez no Festival de Verão da Globo; a família ao redor da tv comentando: "gente, ele mata mais que o Stallone"!! E o day-after na escola, com a galera dando porrada uma na outra imitando John Matrix, levantando pedregulho no recreio pra enrijecer o braço... bons tempos.

    ResponderExcluir
  8. Pois é, é o que temos falado sobre algumas outras obras vezenquando na Vivos: Comando para Matar é daquelas coisas que simplesmente não conseguirão ser sequer emuladas eficientemente novamente. É tudo fruto de um cinema da época, de pessoas talentosas pra este tipo de filme, tudo muito único. Temos que ser felizes que foi realizado, e que o poderemos curtir até o fim dos dias, hehehe

    ResponderExcluir
  9. Fala Perrone,
    Ótimo rever esses filmes, junto com The Warriors e Predador, Comando Para Matar é um dos filmes que mais assisti, acima de 20 vezes. Era só estar passando que ja parava e ficava até o final, quando peguei um DVD com uns segundos a mais, ri muito com as cenas e grosseria, o começo é ótimo com o Arnoldão carregando uma tora gigantesca e depois dando de comer para um viadinho... hahaha...

    ResponderExcluir
  10. Essa apresentação do personagem é genial, Octavius! haha

    Lázaro, eu colocaria INVASÃO USA e DESEJO DE MATAR III também nessa lista! hehe

    ResponderExcluir
  11. Lázaro Cassar18/07/2011 01:05

    Sem dúvida, "Desejo de matar 3" ("Eles mataram o risadinha!! Não tinham o direito!!!" ou "Vai aonde?? "Tomar um sorvete!!" ou... ah, milhões) e "Invasão dos USA" (Norris quando sentia prazer em matar, não aquele sorridente cordial de "Walker, Texas Ranger")... putz, e pensar que passava "Commando","Rambo 1, 2 e 3", "Impacto fulminante" (com Clint), "48 hs","Alcatraz, fuga impossível", nas sessões da tarde da Globo... Hoje? "Bud, um cãozinho da pesada 2", "O retorno do Pimentinha" e desenhos da Disney... o que houve?

    ResponderExcluir
  12. Lázaro Cassar18/07/2011 01:06

    Sem dúvida, "Desejo de matar 3" ("Eles mataram o risadinha!! Não tinham o direito!!!" ou "Vai aonde?? "Tomar um sorvete!!" ou... ah, milhões) e "Invasão dos USA" (Norris quando sentia prazer em matar, não aquele sorridente cordial de "Walker, Texas Ranger")... putz, e pensar que passava "Commando","Rambo 1, 2 e 3", "Impacto fulminante" (com Clint), "48 hs","Alcatraz, fuga impossível", nas sessões da tarde da Globo... Hoje? "Bud, um cãozinho da pesada 2", "O retorno do Pimentinha" e desenhos da Disney... o que houve?

    ResponderExcluir
  13. Caralho, o comentário do Lázaro resumiu tudo o que eu penso sobre a Sessão da Tarde! Sensacional!

    Comando Para Matar é um filme fodão que mostra o quanto os filmes da década de 80 eram divertidos e sem se preocupar com o politicamente correto. A cena em que ele vê o negociador dos bandidos mostra bem isso: http://www.youtube.com/watch?v=v8K87H3T1UU

    Claro que já fiz meu irmão adolescente ver essa lindeza de filme. Hoje ele é tão fã quanto eu desse tipo de filme. Como diz o Rambo, MISSÃO CUMPRIDA!

    ResponderExcluir
  14. Lázaro Cassar19/07/2011 22:43

    E o que é pior, Cristiano... a coisa não se resume às Sessões da Tarde (todas as sessões de filmes da tv aberta se infantilizaram). Daqui a pouco sentiremos falta das poucas (mas super bem-vindas)tosqueiras que volta e meia passam do Steven Seagal (bem, será que teremos nostalgia de ... "Hoje você morre", do Seagal, como temos de "Rambo 2" ou "Commando"????????).

    ResponderExcluir
  15. Olá sigo seu blog discretamente e rapaizzz, testosterona com inteligencia, gostaria de conversar com vc sobre filmes do tipo, seu conhecimento é bemm vasto, tenho alguns projetos para fazer umas fotos e gostaria de alguns conselhos .
    se puder, me adicione no facebook>
    http://www.facebook.com/profile.php?id=100000170637495

    Obrigado e parabéns pelo blog!!

    Abrs

    Bruno Passos

    ResponderExcluir
  16. Um dos maiores filmes da minha infância!

    ResponderExcluir
  17. Os melhores filmes do Arnoldão são O Predador e O Exterminador do Futuro, mas Comando Para Matar é o meu favorito, acho que é um dos filmes que mais se encaixam no gênero "filmes para machos", e por isso, é um prato cheio para mim, por isso eu desprezo os filmes atuais, que tem um ou outro filme com uma boa história ou boas cenas de ação, mas a maioria são filmes com história fraca e entediantes, ou remakes de clássicos que assassinam a obra original, como o remake de O Vingador do Futuro, e Comando Para Matar também vai sofrer um remake, infelismente, que será menos brutal e mais realista, será que os produtores não sabem que o charme de Comando Para Matar é a brutalidade, as quase 100 mortes e os exageros? Sem isso, Comando Para Matar não é Comando Para Matar

    ResponderExcluir
  18. Viva o cinema oitentista.Esse filme é obrigatório num top 10 do Schwarzenegger,ao lado de Exterminador 2,True Lies e Predador.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …