Pular para o conteúdo principal

DEATHLESS DEVIL (1973)


Um cientista cria um aparato tecnológico deveras avançado que consiste num controle remoto capaz de conduzir aviões à longa distância. O famigerado Doutor Satã quer ter a posse dessa maravilhosa invenção, mas com intenções malignas de espalhar o caos, e por isso envia sua horda de assassinos para sequestrar, espionar, obter códigos secretos, matar, fazer de tudo para ter em suas mãos o tal instrumento! Mas não vamos nos precipitar, já que o herói mascarado conhecido como Copperhead está na cola do Dr. Satã e seus lacaios para deter qualquer plano diabólico que possa surgir dessa turma.


Esse é o plot do filme em que fiz a minha iniciação pelo cinema popular turco. Geralmente, a maioria das pessoas começa pelo STAR WARS TURCO, 3 DEV ADAM, até o RAMBO TURCO e outros exemplares mais conhecidos… Eu comecei por DEATHLESS DEVIL, uma espécie de rip-off do herói mexicano El Santo, embora tenha sido inspirado também em algum tipo de publicação inglesa que não me recordo neste momento.


Trata-se de uma bizarrice sem tamanho, como vocês devem estar imaginando. O legal é que o filme é ação integral, divertido à beça e muito engraçado, com o vilão tentando pegar a invenção e o herói impedindo de várias maneiras, e fica nesse ciclo até o desfecho bizonho. Apesar de não ter físico de lutador de lucha-libre, Copperhead encara fantasiado, e à golpes de karate, o exército do Dr. Satã. O que não falta por aqui é pancadaria extremamente mal coreografada!

O visual de Satã é impagável. O sujeito poderia vencer fácil qualquer concurso de bigode mais exótico entre vilões cinematográficos. DEATHLESS DEVIL ainda possui um robô assassino dos mais fuleiros que eu já vi! Sério, deve ser o robô mais tosco da história do cinema, feito de papelão, caixa de sapato e materiais caseiros, e que de tanto uso, já no final do filme, estava tão gasto que o papel alumínio que cobria o braço do ator já havia rasgado. Simplesmente GENIAL!


E não é apenas durante o filme que podemos dar boas risadas. Uma curiosidade da vida comercial de DEATHLESS DEVIL revela o nível de picaretagem da Turquia e Itália. Ambos países possuem essa fama, mas por isso aqui eu não esperava! Os produtores turcos tiveram a brilhante idéia de vender o filme a uma companhia italiana com o título absurdo de O INVECÍVEL BATMAN! Até aí tudo bem... Mas como se disputassem o nível de safadeza, os italianos colocaram novos créditos, com "nomes americanos", e conseguiram a jogada de vender de volta aos turcos o mesmo filme como uma produção americana chamada DEATHLESS DEVIL, o título que estou usando aqui e que foi lançado em DVD pela Mondo Macabro!!! Hahaha! É por essas e outras que eu amo esse tipo de cinema!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …