10.12.11

HARD TO DIE (1990)

Não precisam levar à sério as palavras do Joe Bob Brigs na arte acima, dizendo que HARD TO DIE seria uma versão feminina de DIE HARD (DURO DE MATAR)! Na verdade, pelo que conheço do JBB, nem ele deve ter levado a sério o que disse… Bem, ontem à noite eu dei uma conferida nesta belezinha. Tá certo que o filme se passa num prédio e é protagonizado por mulheres, mas é só isso mesmo que poderia gerar alguma ligação como a versão feminina do filme do Bruce Willis. O que temos aqui, realmente, é apenas mais um típico lingerie movie do Jim Wynorski, ou seja, um filme sobre mulheres e seus trajes mínimos… pra mim, tá bom demais.


Na trama, cinco mulheres precisam passar o sábado inteiro ajeitando um carregamento de lingeries na loja onde trabalham, que fica localizada neste prédio que serve de cenário para o filme. Em determinado momento, elas ficam molhadas, então precisam trocar de roupas. Nada mais justo que vestir lingeries, não é? Afinal, elas trabalham numa loja de lingeries. Mas antes, uma ducha para tirar o suor, claro, algo muito natural e que qualquer moça na mesma situação faria… e dá-lhe planos em corpos esfregando o sabonete, algo bem clichê nos filmes do Wynorski / Olen Ray, para a alegria do público.


O resto de HARD TO DIE é uma espécie de slasher movie sobrenatural, com as garotas sendo atormentadas por um espírito maligno que, aliás, vem de outro filme do Wynorski, SORORITY HOUSE MASSACRE 2, que eu já comentei por aqui em 2009. Por isso, HARD TO DIE também é conhecido como SORORITY HOUSE MASSACRE 3. Temos até Peter Spellos repetindo seu personagem, Orville, que chama a atenção no filme anterior por não morrer de forma alguma, apesar das facadas, pancadas, tiros, etc… aqui acontece a mesma coisa. Há uma cena que, após ser metralhado, perfurado por vários objetos pontiagudos, estrangulado, o sujeito ainda cai do terraço do prédio e, mesmo assim, levanta e continua caminhando… Acho que é por isso que mudaram o título para HARD TO DIE. Além do espírito do mal e Orville, quem aparace também é a dupla de detetives que tentava resolver o caso do filme anterior.



Tudo filmado com a falta de pretensão de sempre de Jim Wynorski, que aqui aparece também em frente às câmeras numa pequena cena, como diretor de um filme pornô, reclamando dos pés sujos de uma atriz. A cena é rápida, mas o discurso que faz é a essência do cinema que ele, Fred Olen Ray, e alguns outros diretores de produções de baixo orçamento realizam fielmente ao longo dos anos. Mas isso vai passar batido para a grande maioria do público, preocupados apenas em reparar nas moças seminuas atirando freneticamente com armas automáticas.

4 comentários:

  1. This looks like a fun time, I'll have to check it out.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Comprei esse filme em VHS com o nome de "Torre do medo", sem saber do que se tratava. Foi uma grata surpresa, pois eu tinha o Sorority House II também (Lançado aqui como "Night Frenzy - Quando o sonho vira pesadelo"). Muito nonsense e mulher pelada... Ou seja, diversão garantida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir

MUDANÇA DE CASA

Depois de um feedback por aqui e na página do Dementia¹³ no facebook , resolvi tomar mesmo a decisão de fechar as portas por aqui e me muda...