Pular para o conteúdo principal

PLANET OF THE VAMPIRE WOMEN (2011)

 

Após uma semana de CINEFANTASY em São Paulo, estamos de volta! Aos poucos vou trazendo algumas novidades que eu pude conferir por lá, especialmente curtas metragens interessantes que me surpreenderam bastante, afinal, fui jurado dessa categoria no festival. Mas, para retomar as atividades por aqui, vamos de PLANET OF THE VAMPIRE WOMEN, um sci-fi delicioso de baixíssimo orçamento que me fez abrir um sorrisão do início ao fim. É o extremo oposto de PLAGUERS, outra ficção que eu comentei aqui outro dia e que reclamei por se levar à sério demais (e por não ter peitinhos balançando na tela). Pois aqui não tenho nada do que reclamar nesse sentido. É um festival de peitos, muito sangue, efeitos especiais toscos, cenários improvisados e monstros de látex, numa produção em que todo mundo parece estar se divertindo à beça.


Um grupo de piratas espaciais saqueia um cassino em uma estação estelar, é perseguido pela polícia e acaba abatido num planeta desconhecido. Sem poder levantar vôo de imediato, em pouco tempo a líder do grupo pirata é transformada misteriosamente em uma vampira e vocês já podem começar a adivinhar o que acontece a partir daí, até porque não vale a pena ficar descrevendo.


O legal de PLANET OF THE VAMPIRE WOMEN é o elenco que compõe uma galeria de personagens tão bem construídos quanto num filme de Robert Altman. Pacquita Estrada interpreta a Capitã dos piratas e exala um aura exótica, uma espécie de Pam Grier dos pobres, mas muito convincente e expressiva dentro de um colant de couro preto. Outro destaque é Stephanie Hyden, que vive um clone do prazer e possui a habilidade de mudar sua aparência para cada ocasião, mas sempre com vários modelitos, cada um mais sexy que o outro. Além de um colírio para os olhos, é o alívio cômico oficial do filme, já que tudo aqui é muito cômico. Ainda temos Liesel Hanson que se transforma na heroina machona da trama; Keith Letl, um sujeito que vive o drama de ser metade humano, metade cyborg, além de outras figuras interessantes…


Eu sei que esses nomes são todos deconhecidos para a grande maioria, mas pra quem já assistiu ao divertido MONSTER FROM BIKINI BEACH, filme anterior do diretor Darin Wood, esses rostos já são familiarizados.

Mas o mais importante não é o rosto, e sim os peitos! E 80% do elenco feminino que aparece em cena expõe seus atributos mamários de alguma forma, da maneira mais criativa até a mais forçada e gratuita possível. Who cares? Peitos grandes, pequenos e médios, temos de todos os tamanhos e formatos para embelezar a tela.


PLANET OF THE VAMPIRE WOMEN é o terceiro longa metragem da produtora especializada em filmes de baixo orçamento de gênero, Trash Film Orgy, todos dirigidos pelo Darin Wood. Só tinha visto o MONSTER FROM BIKINI BEACH, uma bela homenagem aos filmes de monstros, mas um pouco irregular, diferente desta belezinha aqui, obrigatória para os fãs de filmes baratos, mas realizado com paixão e sinceridade. Já estou na espera do que esse povo vai aprontar na próxima!


CINEFANTASY

Sobre a minha passagem no Cinefantasy, seria impossível descrever com detalhes como foi essa aventura, uma semana participando do corpo de jurados do festival. Tivemos muitos curtas pra conferir, cerveja, dvd‘s do Dolph Lundgren que encontramos num sebo, longas caminhadas pela augusta, rodizio de massas, rodízio de carne, "Casarão" da Augusta (se é que me entendem...), etc, etc... Digamos que foi uma fuga da realidade, algo sensacional. E claro, não teria sido tão mágico se não fosse o reencontro com o Edu e a Vivi, organizadores do festival, além dos meus amigos de sempre, o Leopolo, Takeo, Felipe Guerra e vários outros. Em especial, claro, o meu caro amigo Osvaldo Neto, que pude conhecer pessoalmente após longos anos de conversas virtuais. Foi um prazer também conhcer outras figuras maravilhosas como o Alexander, Carlos (ambos do Rio) e Ivo (de BH), que formaram o júri popular de longas. Como se não bastasse, ainda fiz amizade com algumas atrações internacionais, o mexicano Ulises Gusman, diretor do maravilhoso documentário ALUCARDOS, e a dupla alemã Daniel e Kasper, do belíssimo curta WERK. Agora é voltar à realidade e esperar até o ano que vem, pois com certeza teremos mais. Vida longa ao CINEFANTASY.

Comentários

  1. Já tava na hora!! hehe

    abração, cara, espero que o próximo reencontro não leve tanto tempo!

    ResponderExcluir
  2. Hehehe!
    Sim, também espero! E que não seja uma correria pra ver uma montanha de curtas e vários compromissos, como foi dessa vez. Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …