Pular para o conteúdo principal

FORÇA TÁTICA, aka Tactical Force (2011)

Então, aproveitando o último post, vamos falar sobre FORÇA TÁTICA, mais um trabalho do brutamontes  “Stone Cold” Steve Austin lançado no ano passado no mercado de DVD’s e que aproveita para juntar forças com outro ator de peso, Michael Jai White, formando uma dupla da pesada, como diria o narrador da Sessão da Tarde. Infelizmente, o resultado é decepcionante…

Austin é o lider de um esquadrão da SWAT formado por mais três integrantes, entre eles o grandalhão Jai White. A equipe é realmente excelente, resolve qualquer situação difícil seja ela qual for, o problema é que os membros seguem a filosofia do policial linha dura Marion Cobretti, mais conhecido como Cobra, vivido por Sly Stallone em STALLONE: COBRA. Então o negócio aqui é invadir o local, meter balas nos meliantes sem piedade e torcer para que os reféns não se machuquem no processo… mas não se animem muito com isso, porque a forma como tudo é encenado beira o constrangedor.

A solução que o chefe da polícia encontra para o grupo se adequar é ainda mais ridícula! Os quatro membros são enviado a um galpão abandonado para realizar treinamento tático… sim, isso mesmo, os problemas de ética policial do grupo serão contornados com tiro ao alvo, não estou brincando! Bom, calhou de precisamente no mesmo galpão, dois grupos criminosos estarem por lá fazendo negócios, armados até os dentes, enquanto os nossos pobres heróis apenas possuem balas de festim para o treinamento.


Entre os pontos positivos de FORÇA TÁTICA, eu destacaria essa premissa básica, que apesar de boboca, promete muita ação. Fora isso, o resto é um lixo total. A direção de Adamo P. Cultraro (quem?) é péssima, a edição é afrescalhada, a ação em grande quantidade fica apenas na promessa e quando acontece, não é das melhores, o roteiro inventa situações desnecessárias que prejudicam o ritmo, transformam os personagens em burros irritantes que fazem piadinhas fora de hora, sem contar que o filme pouco aproveita do talento de Jai White, que geralmente consegue dar uma melhorada nas produções que encara com suas boas performances em sequências de pancadaria, mas não é o caso aqui… Será que vale a pena falar do Austin? Acho que não…

Tanta estupidez e equívocos reunidos num único filme não conseguem me satisfazer, nem mesmo sendo um exemplar de ação de baixo orçamento direct to video no qual eu embarco de antemão sem expectativa alguma. Até os filmes do Steven Seagal do início da década passada conseguem melhores resultados. Mas, se os afccionados pelo gênero quiserem arriscar com FORÇA TÁTICA, fiquem à vontade.

Comentários

  1. > Até os filmes do Steven Seagal do início da década passada conseguem melhores resultados.

    Pegou pesado!

    ResponderExcluir
  2. O filme é um espetáculo de bizarrices, um policial que carrega consigo uma espingarda de chumbinho, outro que atira um pedaço de carne congelada nas fuças de um bandido. O chefe que exige resultados no treino, mas não tem ninguém lá para conferir o score...
    A ação é mediocre, atuação inexistente e ainda por cima aquele personagem que claramente morreu, mas no final aparece vivinho e ainda por cima se revela um agente duplo.
    Eu nem sei como consegui ver esse filme do início ao fim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …