Pular para o conteúdo principal

RECOIL (2011)

Steve Austin vem construindo uma carreira interessante como ator de ação direct to video, especialmente por escolher trabalhar com algumas figurinhas típicas do gênero que só fazem aumentar o interesse pelo seus filmes. Após chutar a bunda de Stallone em OS MERCENÁRIOS, Austin voltou a trabalhar com Gary Daniels no bom HUNT TO KILL e dividiu a tela com Michael Jay White no fraquíssimo FORÇA TÁTICA (que eu ainda preciso comentar por aqui). Ainda para este ano de 2012, o sujeito está preparando MAXIMUM CONVICTION, com Steven Seagal, e THE PACKAGE, com o Dolph.

Enquanto aguardamos essas pérolas, vamos ficar com algumas impressões que tive de RECOIL, exemplar que segue a mesma idéia dos trabalhos do Austin listados acima, de contracenar com outro nome de peso. Dirigido por um tal de Terry Miles, “Stone Cold” Steve Austin encara ninguém menos que Danny Trejo por aqui! Portanto, tirem as crianças da sala, pois o “pau vai comer”! (No bom sentido, é claro).

A premissa e o personagem central lembram um pouco FASTER, com o The Rock, apesar das várias diferenças, uma delas é que RECOIL é mil vezes melhor. Austin interpreta Ryan Varrett, um sujeito misterioso que aparece em busca de vingança em uma pequena cidade dominada por uma gangue de motoqueiros traficantes liderada por Drayke (Trejo).

Varrett arruma uma confusão danada no local, mas o que importa mesmo é que toda a história é desenvolvida para criar o confronto entre Austin e Trejo. É tudo que o espectador quer ver e, para a nossa alegria, o filme não decepciona. A pancadaria entre os dois é encenada sem coreografias bonitinhas, com uma certa crueza, mas bem ao estilo old school, com muito soco na cara e o som de abacate esmagado a cada murro! Não poderia deixar de ser o ponto mais alto do filme!


Steve Austin, mais uma vez, demonstra carisma, porque se depender do talento para interpretar, passaria fome. O mais próximo que chegou de uma atuação foi em DAMAGE, cujo personagem exigia algo mais profundo e o ator conseguiu se expressar de alguma maneira. Por aqui, faz um tipo caladão, tenta aproveitar a presença em cena, caminha em direção à câmera em slow motion enquanto um caminhão explode atrás sem piscar… aos poucos vai se consolidadando como homem de ação do mercado direct to video.

Do outro lado, temos um Danny Trejo inspirado, fazendo valer cada momento dessa sua nova fase pós MACHETE. Em meio a um bando de vilões genéricos em RECOIL, Trejo se sobressai, não apenas por ser o lider da gangue, mas por realmente construir um personagem interessante, um vilão divertido, assustador e expressivo. E com quase 70 anos impressiona o físico do sujeito, realizando várias cenas de pancadaria para demonstrar o quanto é mau, trocando porradas com Austin de igual para igual… Para os fãs de Trejo, RECOIL será um deleite.

No entanto, tenho a impressão de que o resultado final poderia ser um pouco melhor. É habitual que esses exemplares direct to video tenham uma parcela de problemas e não estou esperando um novo DRIVE, não crio expectativas com este tipo de produção, apesar da dupla casca grossa que temos disponível aqui. Mas há uma certa pretensão desnecessária, o filme tenta ser algo fora do padrão na maneira como trabalha a história, os personagens, o ritmo bem mais lento… O esforço é louvável, mas o passo foi maior que perna e nesse sentido ficou a desejar. O fato é que por mais que tente, RECOIL fica na média da seara dos bons filmes de ação direct to video, ou seja, vale uma conferida obrigatória aos apreciadores do gênero.

Comentários

  1. Henriquegab03/03/2012 17:31

    Tenho um filme do Steve Austin aqui que nunca tive coragem de pôr para rodar. Mas se tu tá dizendo que tá valendo a pena ver a maioria dos filmes dele, entao o jeito é ver por mim mesmo. E vou procurar esse com o Trejo também.

    ResponderExcluir
  2. Mas só por curiosidade, qual filme do Steve Austin você tem aí?

    ResponderExcluir
  3. Gostei do Hunt to kill, principalmente por causa da luta contra o Gary Daniels. Aliás, Daniels deveria ter sido o vilão principal como é o caso do Jogo de Morte com Wesley Snipes.
    Ronald, por quê tu não gostou do Faster?

    ResponderExcluir
  4. FASTER começa num nível alto e termina lá em baixo... tem uma premissa ótima e desperdiça pela falta de colhões. Não que eu ache um desastre total, mas é bem fraco e poderia ser muito melhor.

    ResponderExcluir
  5. Henriquegab04/03/2012 04:10

    Tenho o Hunt to Kill. Olhei a capa e logo pensei, "ah mais um desses canastrões do WWE fazendo um filme merda" hahaha desde entao nunca mais toquei no filme. Mas vou dar uma olhada mesmo sendo ruim.

    ResponderExcluir
  6. Acabei por assistir a este filme esta tarde. Este calmeirão não tem capacidade para fazer uma expressão que seja. Realmente há que dizer que as estrelas de acção direct to video dos anos 80 e 90 eram bem mais versáteis.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderExcluir
  7. Henriquegab06/03/2012 23:45

    Só agora que eu vi que tenho o Stranger e não hunt to kill. Mesmo assim achei um bom filme de ação. Um nota 7

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …