Pular para o conteúdo principal

A FORÇA EM ALERTA 2 (UNDER SIEGE 2: DARK TERRITORY, 1995)


Steven Seagal começou sua carreira de action heroe mandando muito bem desde seu primeiro trabalho, NICO, ACIMA DA LEI (1988). Aliás, e isso eu sempre repito por aqui, seus quatro primeiros filmes são excelentes exemplares de ação, independente se tu gostas ou não do ator de rabinho de cavalo. Mas foi com seu quinto longa, A FORÇA EM ALERTA, que o sujeito alcançou o seu maior sucesso comercial. Já comentei sobre o filme aqui, mas vale lembrar que se trata de uma espécie de “DURO DE MATAR em um navio militar”, numa bela época em que “DURO DE MATAR em qualquer situação” funcionava tão bem quanto a combinação Robert Mitchum e film noir na década de 40 e 50. Ou seja, uma maravilha.


E já que A FORÇA EM ALERTA fez tanto dinheiro, por que não trazer o personagem do ex-agente especial militar, agora cozinheiro, Casey Rybeck, de volta em uma nova aventura? Portanto, surgiu A FORÇA EM ALERTA 2, dirigido por Geoff Murphy e escrito por Matt Reeves (que faria alguns anos depois CLOVERFIELD e a refilmagem de DEIXE ELA ENTRAR), também conhecido como “DURO DE MATAR em um trem”. Dessa vez, Seagal embarca com sua sobrinha para ir ao funeral de seu irmão no mesmo trem que um gênio/louco capaz de controlar uma arma satélite que cria terremotos em qualquer ponto da terra decide começar uma operação de destruição de escalas globais durante a viagem. Com a ajuda de um bando de mercenários, todos os passageiros são colocados como reféns no último vagão para que a operação ocorra dentro dos conformes. Exceto, é óbvio, Rybeck que precisa agora utilizar todo seu conhecimento de cozinheiro para atrapalhar os planos dos malvados.


Nisso, o que não falta em A FORÇA EM ALERTA 2 são algumas sequências bem constrangedoras para qualquer herói de ação que se preze. Mas, hey, ninguém vai ver um filme do Seagal esperando uma obra prima do Peckinpah, não é?. Além do mais, com exceção dos primeiros quatro filmes do homem, a graça e o charme de ver um filme com o selo Steven Seagal é justamente se deslumbrar em situações que beiram o ridículo. Um bom exemplo é no climax final, quando acontece o choque entre dois trens e que, por um acaso, Seagal ainda se encontra dentro de um deles, mas usa toda sua experiência em quebrar as leis da física para se safar, enquanto os piores técnicos de efeitos especiais em CGI dos anos noventa dão o seu melhor.


O que mais você precisa? Steven Seagal fazendo o de sempre, um grupo de mercenários crueis formado por umas figuras como Peter Greene, Jonathan Banks, Patrick Kilpatrick e liderados por Everett McGill, que aliás, demonstra o filme inteiro que é casca grossa suficiente para encarar o herói num mano a mano. Mas isso é só até começarem a grande luta final e Seagal arrebentá-lo com a facilidade que lhe é habitual. Ainda temos Eric Bogosian, que antes dava espetáculos de atuações, como em TALK RADIO, de Oliver Stone, e não faço ideia de como veio parar aqui, fazendo um dos vilões mais toscos do cinema de ação dos anos noventa, o tal maluco que comanda os satélites. Sem contar a presença de Nick Mancuso, Kurtwood Smith e Katherine Heigl antes da fama, fazendo a sobrinha de Seagal (e deve se envergonhar até hoje disso).

Sobra ainda muita pancadaria, tiroteios, explosões, alta contagem de corpos e várias frases de efeitos espalhadas pelo filme, tudo para não deixar A FORÇA EM ALERTA 2 cair na monotonia. Infelizmente, apesar de todas essas "qualidades", foi um fracasso de bilheteria na época, derrubando um pouco a moral que Seagal havia conquistado. E dá pra entender os motivos. No entanto, os amantes hardcore do cinema de ação vão encontrar, ou redescobrir, uma pérola do exagero por aqui e saberão apreciá-lo da maneira correta.

Comentários

  1. O primeiro Força em Alerta eu acho excelente. Já esse aqui... Nem se tivesse aquela loirinha do primeiro chegaria aos pés do anterior.

    Mas é bem como tu escreveste, vale mesmo para ver Seagal surrar a bandidagem.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a afirmação de que os primeiros trabalhos do cara são ótimos filmes de ação,apesar de achar o "Difícil de Matar" muito chato, no entanto, acrescentaria o "Em Terreno Selvagem".
    Na sua opinião Ronald, qual é o pior filme do Seagal?
    Abraço;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EM TERRENO SELVAGEM é muito bom mesmo, deve ser o próximo filme do Seagal a ser comentado aqui no blog. Mas ainda acho inferior aos 4 primeiros, inclusive DIFÍCIL DE MATAR, que acho bem legal também.

      Agora, o Seagal fez muito filme ruim de verdade na metade da década passada. Tão ruins que não dá nem pra se divertir com ruindade. O pior dele, na minha opinião, é um chamado FLIGHT OF FURY... meu Deus. Que coisa horrorosa. hehe!

      Excluir
  3. Só vi este post agora, cara. Concordo contigo quanto aos primeiros filmes do Seagal e acrescento que a carreira dele começou a desandar depois que ele passou a ser considerado rentável começou a fazer blockbusters. Os dois "Força em Alerta" são massa e "Em Terreno em Selvagem" ainda é decente, mas a carreira dele desandou a partir daí. Os filmes eram muito melhores quando ele ficava quebrando ossos de vagabundos na periferia.

    ResponderExcluir
  4. Augusto Cezar Lima Queiroz23/04/2013 08:50

    Faltou comentar que o filme foi um sucesso em VHS, na época áurea das videolocadoras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …