Pular para o conteúdo principal

THE LAST STAND (2013)


A importância que uma figura como a de Arnold Schwarzenegger na minha formação cinéfila é algo indiscutível. Não consigo pensar a minha infância como admirador precoce de cinema de ação sem considerar COMANDO PARA MATAR, O EXTERMINADOR DO FUTURO, PREDADOR, O SOBREVIVENTE, INFERNO VERMELHO, TOTAL RECALL e tantos outros exemplares que me acompanharam desde muito cedo. E o que diferencia o Schwarza de outros action heroes do período é a maneira inteligente na qual administrou sua carreira, com poucas bolas foras (como JÚNIOR e BATMAN & ROBIN). Fruto de alguém que soube gerir sua imagem como ícone de uma geração, soube encontrar bons roteiros e, principalmente, escolheu trabalhar com os diretores certos (Milius, Hill, McTiernan, Cameron, Fleischer, Verhoeven). Quando finalmente sua carreira começou a desandar, com O SEXTO HOMEM e COLLATERAL DAMAGE, o sujeito virou governador da Califórnia e deixou a vida de ator de lado.

Mas agora chegamos a THE LAST STAND, seu mais novo trabalho. Estava ansioso por vários motivos. Um deles é por essa áurea que rodeia o filme por se tratar do retorno do Arnie como protagonista, encarnando a imagem de action heroe e blá, blá, blá, algo que eu não tinha certeza que voltaria a acontecer após o longo hiato na vida política. But Arnoldão is totally back!!! Com o mesmo nível truculência de sempre, o mesmo sotaque engraçado, sem o mesmo fôlego de antes... mas vamos respeitar, é um senhor de 66 anos de idade, oras. Sou da opinião de que o herói de ação é como um bom vinho tinto. Fica melhor com o avançar do tempo. No caso, fica mais badass. Lee Marvin, Charles Bronson, Clint Eastwood só melhoraram na medida em que seus cabelos ficaram grisalhos (no caso do bronson, o bigode). Portanto, Schwarzenegger tem a minha bênção para protagonizar quantos filmes de ação quiser por um bom tempo ainda.


Outra razão que aumentava ainda mais a minha ânsia era a escolha do diretor. Seguindo a tradição do austríaco de buscar trabalhar com nomes interessantes, calhou de ser um dos grandes do gênero na atualidade. O coreano Jee-Woon Kim é simplesmente responsável por um dos meus filmes de cabeceira da década passada, a obra prima A BITTERSWEET LIFE. Sem contar o ótimo THE GOOD, THE BAD AND THE WEIRD e o trágico I SAW THE DEVIL. Portanto, em termos de aspectos técnicos e direção, THE LAST STAND ficou em boas mãos.

Já o plot é o mais simples possível. Um bandido mexicano (Eduardo Noriega) aprisionado em território americano consegue escapar e parte rumo à fronteira em direção ao seu país. Para isso, tem que passar por uma pequena cidade que por um acaso possui um xerife, Ray Owens (Arnoldão), que é um baita casca-grossa e não vai deixar o sujeito passar sem vender caro a sua pele. Sim, parece enredo de western. Mas atualizando a coisa, ao invés de cavalos, o bandido utiliza um corvette modificado que voa como um jato pelas estradas. Em certo momento, ficamos sabendo que o sujeito, além de ser o rei do cartel mexicano das drogas, é um experiente piloto de corrida. E, para melhorar o nosso lado, o meliante ainda conta com um grupo de capangas que vai limpando as estradas dos bloqueios policiais.


O braço direito do bandido é vivido pelo grande Peter Stormare, com aquela cara de maluco que lhe é habitual. Ele fica responsável por tocar o terror na tal pequena cidade e construir uma ponte para que o seu chefe possa atravessar um desfiladeiro que separa as fronteiras. Outras figuras interessantes também marcam presença. Luis Guzmán, sempre carismático, faz o ajudante do xerife; Forest Whitaker é o agente federal que cuida do caso; E temos uma pontinha simpática do Harry Dean Stanton. Outros atores que eu não sou muito chegado conseguem ser bem aproveitados por aqui, como é o caso do brasileiro Rodrigo Santoro e o Johnny Knoxville. O imdb ainda aponta a presença do Sonny Landham, mas confesso que não o reconheci em lugar algum...


Mas vamos ao que interessa. Quando paramos para conferir algo do calibre de THE LAST STAND queremos saber de ação! E Jee-Woon Kim não se deixou intimidar em território americano (apesar de não saber falar inglês muito bem) e demonstra como conduzir um espetáculo de ação da maneira correta, sem tremeliques, com boa contagem de corpos e doses de violência. Um sujeito que entende muito da gramática da ação, do posicionamento das câmeras, enquadramentos, montagem. Não é o tipo de filme que possui ação a cada cinco minutos, mas quando acontece, é muito bem realizado. O tiroteio que se passa na rua principal da pequena cidade ao final, por exemplo, é épico, sensacional! Preparado e esperado com a mesma intensidade do climax de um MATAR OU MORRER, não me decepcionei nem um pouco quando chegou a hora do "pau comer"! É ação eletrizante da melhor qualidade. E como é bom ver o velho Arnie distribuindo pancadas e balas na cara de bandidos à sangue frio!



E logo após o tiroteio, a ação se prolonga numa inusitada perseguição de carros num milharal e culmina num duelo à base de porrada entre Schwarzenegger e Noriega em cima da tal ponte. Coisa linda, como nos velhos tempos... com a diferença que o bandido luta MMA, então o austríaco precisou se adaptar aos combates corporais modernos. Chega a ser engraçado. E na minha opinião, os realizadores acertaram em cheio em não levar o filme para um tom muito sério. THE LAST STAND é todo conduzido com a única intenção de divertir um público específico com algumas piadas, explosões, pancadaria, muito tiro e a presença do velho Arnie.


Havia a possibilidade de criar uma reflexão mais aprofundada sobre a idade do protagonista e os conflitos dramáticos que surgem a partir do tema, como em NA LINHA DE FOGO, com o Clint Eastwood, por exemplo. Mas até isso é explorado de maneira bastante leve e superficial, permitindo que Schwarza dê o seu show de truculência e carisma sem se preocupar muito com a densidade de seu personagem (e que graças a Deus não solta nenhum de seus clássicos bordões, mas tenta criar alguns novos, o que é bem mais interessante).

THE LAST STAND é realmente um filme muito simples, sem grandes pretensões, mas com excelentes doses de ação, reverencia o western e o cinema de ação dos anos 80,  e se destaca principalmente por levar um dos grandes diretores da atualidade para um debut americano (e tomara que ele consiga imprimir sua visão no cenário de ação por lá e não tenha o mesmo destino do John Woo). E, claro, promove um retorno de classe a um dos grandes ícones do cinema de ação da minha geração. Trata-se do melhor filme de ação de 2013 até o momento. Agora é aguardar o Stallone dirigido pelo Walter Hill...

Comentários

  1. Estava com um pé atrás para assistir esse, pois não gosto muito de filmes de ação que tentam ser "engraçadinhos" a todo o momento.

    Porém sabendo que tem algumas referências ao western de fronteira e que o diretor é o mesmo do violentíssimo I SAW THE DEVIL, já motiva bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você também não deve gostar muito do Schwarzenegger, né? Só por ser o retorno dele, já seria suficiente para os fãs... hehe

      Excluir
  2. Não, tenho que admitir que não gosto muito do cara.
    Aliás acompanho o seu blog já há bastante tempo e posso dizer que uma das únicas discordâncias cinematográficas que tenho com o Dementia 13 é em relação ao Arnoldão hehehe
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Normal, não podemos concordar com tudo! Hehe! Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …